29 de junho de 2009

Sidequest #31 - Promoção de Aniversário


Olá amigos aventureiros! É com grande orgulho que trago a vocês uma grande notícia. Nesta sexta feira, dia 3 de julho, este humilde blog de RPG que quase ninguém lê completa 1 aninho de vida. São poucos os que conseguem esta façanha e, por conta disto, eu resolvi dar um presente a todos os leitores. Isso mesmo, O BLOG FAZ ANIVERSÁRIO E QUEM GANHARÁ O PRESENTE SERÁ UM SORTUDO LEITOR.

Para participar do Sorteio é muito simples: O leitor deve responder as três perguntas corretamente em um comentário nesta postagem (lembrando de deixar seu e-mail para contato) que estará automaticamente concorrendo. Cada pessoa só poderá participar uma única vez com seu e-mail. Ao final do mês ( Dia 31 de Julho de 2009) será feito um sorteio através de um sistema de números aleatórios e o ganhador levará um Livro de RPG ORIGINAL e LACRADO.
Que livro é esse? Você deve estar se perguntando agora. Trata-se de um exemplar do Nostálgico e Old School livro do sistema Aventuras Fantásticas: Dungeoneer. Pois é aventureiro, é a chance de você completar sua coleção com um exemplar totalmente lacrado e sem uso deste raro livro de RPG.

Vai deixar esta passar?

Muito obrigado a todos os que acompanharam e que comentaram no blog durante todo esse tempo, e aos que leram sem comentar (embora eu ficasse mais feliz se o tivessem feito). É por vocês que este blog existe. Por todos os fãs de AD&D e D&D 3rd que ainda habitam este grande país chamado Brasil, especialmente a galera de Recife, que entende o porquê deste blog se chamar RPG no Paço.

Por hoje é só e vamos às 3 perguntas:

1. Por que este blog se chama "RPG no Paço"? O que significa "Paço"? (Fácil)

2. A qual civilização/povo/país, corresponde o reino de Sind, no mundo de campanha de Mystara? (Médio)

3. Qual é o nome da aventura onde Orcus, o Príncipe Demônio dos Mortos Vivos tenta recuperar seu cetro perdido? (Difícil)

13 de junho de 2009

Campanha do Paço #12 - Prólogo - Uma Celebração Interrompida


Olá pessoal! Depois de uma primeira sessão com alguns problemas de morte (de todos os jogadores), preparei mais uma aventura. Desta vez a história foi feita do zero, sem bases em nenhuma aventura clássica pois acho que elas me dão azar. Nas três vezes que tentei, não saí da primeira sessão. Então, vou dar uma pausa nas tentativas por enquanto.

Nesta nova aventura os PCs se depararão com uma trama maior do que qualquer um pode imaginar. Uma trama que pode dar todo o controle do mundo a uma mente perversa. Espero que esta dure mais de uma sessão, pelo menos. E NADA DE GRUPO DE HALFLINGS!!!! Não quero mestrar pra nenhuma Branca de Neve!( Piada interna)


Acordo de Sangue
História: Daniel "Careca" Braga e Michie

Casting:

Álvaro -
Formiga -
João -
Layne -
Tink -



Prólogo

Esta não era a melhor das festas na 20ª primavera da herdeira do Barão de Zhytomyr, Anizzia. Gostava de toda aquela luxuosa vida que seu pai lhe proporcionava, mas a idéia de um casamento arranjado não entrava muito em sua cabeça. Toda aquela gente que nunca vira na vida estava ali, comendo da sua comida, usufruindo das instalações de sua casa; isso não lhe parecia nada estranho ou desagradável.

O Barão de Zhytomyr, por outro lado, estava bem satisfeito com o casamento de sua filha mais velha. Sua família e a dos Severlysis se tornariam uma. Era a grande chance de construir a maior de todas as metrópolis do Mundo Conhecido. Com a tecnologia dos Severlysis e o dinheiro dos Zhytomir, nada seria impossível. Quem sabe pudesse até mesmo comprar o ducado de Stefan Karameikos; talvez até mesmo conseguisse comprar a independência das terras do Império de Thyatis. Sonhos... Apenas sonhos...

Tudo transcorria bem na festa de aniversário. Arnauld Severlysis, seu pretendente chegaria no dia seguinte, para o casamento que ocorreria em pouco tempo. Seria uma grande festa jamais vista por estas terras. Anizzia pensou que talvez o casamento arranjado não fosse de todo mal.

Uma explosão repentina fora da mansão fez com que todos parassem de dançar, comer e se divertir. Algo de muito errado estava acontecendo. Surpreendidas pelo grande barulho as pessoas jogaram comidas no chão, derrubaram móveis e obras de arte, esbarraram umas nas outras durante o alvoroço.

Outra explosão. Um longo e alto uivo pôde ser ouvido em todas as partes da casa. Diversos uivos seguiram o primeiro, mostrando que a criatura não estava sozinha. Era um pequeno exército.

Como todos sabem, guardas em roupas de festa dificilmente estão preparados para uma batalha. E como estes não eram muito diferentes, foram massacrados pelas criaturas humanóides com face de hiena. Anizzia viu sangue ser derramado em seu lindo bolo de aniversário antes de ser retirada da sala por dois guardas grandes e fortes que não pareciam estar despreparados. Seria levada para uma carruagem que estava pronta nos fundos da casa. Ela e seu pai precisavam sair da cidade.

Por túneis escuros, Anizzia correu freneticamente. Confiava naqueles homens fortes e bem pagos que trabalhavam para sua família. Ao chegar no local, apenas uma carruagem. descobriu que seu pai tinha partido antes e a estaria esperando na Casa da Floresta. Pôde ver alguns telhados em chamas, pessoas mortas pelas ruas. Sinais de gente que tentava salvar suas próprias vidas.

Se continuasse na mesma velocidade, alcançaria a carruagem de seu pai em alguns minutos, e então iriam lado a lado até o refúgio. Mas um grande barulho pôde ser ouvido do lado de fora. Algo pesado caíra sobre o teto do veículo. O Cocheiro gritou em agonia, seu sangue espirrou na pequena janela dianteira. Anizzia então já estava apavorada, se tivesse comido algo na festa, já teria colocado para fora. Uma grande pancada arrancou a porta da carruagem de uma só vez. Quem quer que estivesse lá fora, era muito forte.

A jovem moça reparou bem na criatura peluda do tamanho de um cavalo. Com braços tão musculosos que fariam inveja a um ogre. Face de lobo e dentes muito afiados. O Lobisomem acertou-lhe um soco no estômago e garota apagou.

O Barão de Zhytomyr tinha acabado de chegar. Pensou consigo: "Minha Anizzia logo estará chegando..."

11 de junho de 2009

Mystara #01 - O Gran Ducado de Karameikos


Olá pessoal! Estou trazendo neste blog um artigo sobre o cenário no qual eu jogo e que também se trata do meu preferido: Mystara. Pretendo trazer a cada 15 dias a descrição de um local específico do mundo. Os textos serão traduções, adaptações e até textos novos a partir de livros ou artigos encontrados na própria internet e farão parte de um projeto que apelidei carinhosamente de "Pandius Brasil", em homenagem ao grande site americano de Mystara do qual sou grande fã.

Para começar, estarei falando sobre o Grande Ducado de Karameikos, cuja box foi lançada no Brasil pela falecida Abril Jovem. Recentemente tenho arrematado todo o material de Mystara que vejo pela frente dando sopa, e nos últimos dois meses comprei 7(isto mesmo, 7 boxes iguais) de Karameikos. "Por que?", você deve estar perguntando. Eu respondo, porque tenho planos de futuramente montar uma loja de RPG, e, com isso, preciso começar a montar estoque de livros antigos e raros a partir de agora. Sem contar, que ter vários livros de reserva me permite usar sem peso na consciência de estragar ou rasgar.

Espero que gostem do texto e usem-no em suas aventuras!

See Ya!

O Grande Ducado de Karameikos


Geografia

Karameikos é uma terra profunda, escura e, em sua maior parte, selvagem que muitos homens através da história tentaram conquistar. Karameikos se localiza na costa sul do continente de Brun, a oeste do Império de Thyatis e a leste da terra de Cinco Condados. Ao norte, uma cadeia de monanhas separa o ducado das terras de Darokin e Ylaruam.

A maior parte de Karameikos é coberda de florestas densas e inexploradas. Há diversas porções de terra com solo rico e fértil, especialmente nas margens do Highreach River (Rio Longo Alcance), onde existem diversas fazendas e a agricultura é próspera.

Sua capital, conhecida como Specularum, é uma cidade portuária muito próspera e ativa, com cerca de 50 mil habitantes. Outros lugares de interesse são a cidade de Kelvin e a vila de Threshold, nas terras montanhosas ao norte, um paraiso para aventureiros cercado por diversas e ameaçadoras raças selvagens humanóides.

História

Em tempos antigos, a terra de Traldar era o lar de uma civilização heróica de bárbaros. Por volta de 2 mil anos atrás, esta terra foi atacada por um grande exército de Homens-fera (em grande parte, Gnolls). A guerra perdurou por durante anos e criou incontáveis lendas (dentre as quais, as histórias de Halav, Petra e Zirchev, posteriormente o patrono dos Imortais de Traladara); mas, eventualmente os gnolls foram expulsos, deixando a glória dos heróis de Traldar em ruinas. O Povo, agora se entitulando de Traladaranos, então fundaram uma nação de comunidades fragilmente aliadas nas florestas profundas.

Por volta de um século atras, os Thyatianos, em uma de suas invasões de conquista, enviaram um exército até Traladara, conquistando as regiões costeiras e algumas comunidades insulares, e, declarando a nação como parte integrante de seu Império.

Há 30 anos, um duque Thyatiano chamado Stefan Karameikos trocou a vasta fortuna de sua familia e sua terra natal, o próspero Ducado de Machetos, com o imperador Thincol I de Thyatis pelo direito de limpar e governar as terras bárbaras de Traladara. Ele se mudou com seu próprio exército e seguidores, tomando posse das terras onde os governantes Thyatianos comandavam, e começando um programa agressivo de construção de estradas, cidades e outras fortificações.

Karameikos é uma terra particularmente nova e seu povo é bem segregado em decorrencia dos vários períodos de governo pelos quais passaram suas províncias.

O Povo

Há diversas culturas distintas presentes em Karameikos. Os Traladaranos são um povo pálido, e com cabelos muito escuros que tem habitado estas terras por milhares de anos. Energéticos, romanticos, artísticos e muito supersticiosos; eles são decendentes de Traldar. Os traladaranos são comandados por uma classe conquistadora de Thyatianos, trazidos aqui por volta de 30 anos atras pelo duque Stefan Karameikos.

Há também dois clãs élficos: o vigoroso clã Callarii na parte central do reino e os Vyalia, no norte das florestas do leste. No norte do reino, há uma comunidade de anões e gnomos chamada Highforge.

Atritos entre os Thyatianos e os Traladaranos são comuns, mas, os dois povos já começando a se enxergar como uma única nação. Apesar da natureza exploradora de muitos nobres Thyatianos, que veem os Traladaranos como mão-de-obra a ser usada para gerar grandes lucros, Stefan criou e reforçou muitas leis para assegurar a igualdade entre os diversos povos.

Governo e Religião

Karameikos é oficialmente um Ducado por diversas razões políticas, mas, efetivamente, é uma monarquia. Stefan Karameikos, o governante, escolhido para ser o único Gran Duque como um sinal político para que outras nações saibam que Karameikos ainda retém ligações com o Império Thyatiano e que para invadir Karameikos, é preciso primeiro invadir Thyatis. A nação possui ainda alguns baronados semi-autônomos.

Na parte oeste de Karameikos, o Golfo de Halag, colado com a região de Cinco Condados, é um destes baronados, o Baronado da Águia Negra. O primo não muito querido de Stefan, Barão Ludwig von Hendriks, o governa. Seus seguidores chegaram a invadir Karameikos, Darokin, Ierendi, Minrothad e, especialmente, Cinco Condados, onde realizaram diversos roubos e assassinatos em seu nome. Protegido politicamente por causa de seu nome e por que seu primo Stefan se recusa a acreditar que um parente seu seja capaz de realizar atos tão horríveis, o Barão Ludwig governa estas terras com mãos-de-ferro.

Os patronos Imortais dos Traladaranos são Zirchev, Petra e Halav, os líderes heróicos na guerra de Traldar contra os "homens-fera" (gnolls). A conhecida Igreja de Halav foi fundada com o intúito de louvar seus nomes. A maioria dos Thyatianos seguem a Igreja de Karameikos, fundada pelos clérigos Thyatianos por volta de 30 anos atrás.

1 de junho de 2009

Campanha do Paço #11 - Como matar um grupo em 1 sessão!


Olá pessoas, estou aqui no Pós-Sessão para relatar como é bom estar de volta (Ou nem tanto assim). Nosso intrépido grupo de aventureiros estava com muito boa vontade para começar uma campanha, porém nem tanta assim para terminá-la (ou não).


Tudo começa na pequena cidade de Ankorros, a Caruaru de Mystara. Cada um com seu respectivo motivo rumou para lá para encontrar seu trágico fim. O grupo estava então composto por três pessoas bem peculiares. Um mago megalomaníaco, um demônio fedorento e um pastor da Universal. Nota-se que tinha tudo para dar certo.


Depois de presenciar um discurso insano do prefeito Guss, Orlando, o demônio barbado fedorento acabou encontrando um corpo em um beco. O cranio estava perfurado com uma precisão cirurgica e o cérebro havia sumido. Tratou de chamar seus companheiros para averiguarem o ocorrido.


Depois de algum tempo, descobriram que Jonas Cuthbert, o chefe da guarda havia desaparecido alguns dias antes, logo depois do prefeito começar a ficar estranho. Descobriram também que uma recompensa estava sendo oferecida pelos membros da guarda da cidade àquele que trouxesse notícias sobre seu chefe. Não foi preciso dizer que o nosso intrépido grupo de aventureiros aceitou sem pestanejar.


Algum tempo de investigação passado, acabaram por chegar na Floresta da Donzela (que não era tão "donzela" assim) em uma casa abandonada. Parecia uma casa mal assombrada comum, porém, se revelou como o ponto de encontro de alguem ou alguma coisa, e também a entrada de um lugar muito sombrio.


Na casa, os excêntricos heróis acabaram encontrando um cetro mágico, com poderes sobre o clima e sobre o frio. Nosso amigo Orlando, o demônio fedorento, recebeu um aviso mental para deixar tudo onde estava, que não foi acatado pelo amigo Pastor da Universal, que carregou o artefato dentro da mochila em direção a estalagem.


Grande erro! Durante a noite, nossos amigos foram atacados por uma bizarra criatura feita de cérebros e tentáculos que parecia ter saído de um hentai barato. Em apenas uma mordida, arrancou a cabeça do pastor, com duas, arrancou a cabeça do Demonio fedorento. E, por último, num ato de extrema sagacidade, Magnus, o magnífico, que já tinha escapado da criatura, volta para socorrer seus amigos e receber um Cone de Gelo direto na cara. Era uma vez um grupo...


Paciencia =/ Semana que vem tem mais.


Queria pedir desculpas pra galera, eu não queria matar o grupo inteiro, mas acabou sendo algo que se fez necessário por conta do erro do pastor em carregar o cetro.


Logo logo eu posto o prelúdio e os dados da nova sessão.


See Ya!